Pular para o conte√ļdo

O QUE SÃO OS SAMHITAS?

Uma exposição dos Samhitas por Matheus Macêdo e Jaqueline Halack.

No Vida Veda praticamos Ayurveda de acordo com os Samhitas e no artigo de hoje vamos responder a seguinte pergunta: o que s√£o os samhitas?

Os samhitas s√£o os textos mais antigos da ci√™ncia ayurv√©dica e as fontes originais do que eu chamo de Ayurveda baseado nos samhitas. N√£o s√£o a √ļnica maneira de aprender Ayurveda, mas s√£o a minha maneira preferida. √Č poss√≠vel aprender ayurveda de outros ramos. Por exemplo, se voc√™ quer estudar astrologia v√©dica, que a gente chama de Jyotish, voc√™ pode procurar um guru e voc√™ pode morar com um guru e seguir o guru durante anos, d√©cadas e aos poucos esse pensamento pode ser passado num sistema que a gente chama de guru shishya parampara‚Ää‚ÄĒ‚Ää√© uma tradi√ß√£o direta entre guru e disc√≠pulo. Outro sistema de conhecimento que passa muito por essa rela√ß√£o de guru e disc√≠pulo √© o sistema que a gente chama de nadi pariksha‚Ää‚ÄĒ‚Ää√© o diagn√≥stico por meio de uma tomada do pulso. Se voc√™ for usar os samhitas para poder aprender nadi pariksha, seu conhecimento vai ficar faltando bastante, porque nadi pariksha √© uma ci√™ncia que √© muito pouco referida, quase nada √© referido nos samhitas principais. Entre os tr√™s samhitas principais o Caraka Samhita, o Sushruta Samhita e o Ashtanga Hrdayam ela n√£o √© nem mencionada, para falar a verdade. A t√©cnica √© pouco referida e pouco relevante. Ent√£o, se voc√™ quiser ser um nadibaba, um mestre de nadi, o ideal √© que voc√™ v√° procurar um guru e ele vai lhe transmitir esse conhecimento ao longo do tempo. Tem uma hist√≥ria de um amigo meu que foi aprender nadi pariksha. Ele largou a faculdade, n√£o queria aprender o sistema que a gente estuda, e foi morar com um guru. Ele passou os dois primeiros anos s√≥ limpando a casa do guru at√© que finalmente um dia o guru come√ßou a ensin√°-lo. Ent√£o, o sistema de guru e disc√≠pulo‚Ää‚ÄĒ‚Ääguru shishya parampara‚Ää‚ÄĒ‚Äätem v√°rias prova√ß√Ķes e √© necess√°rio seguir a tradi√ß√£o religiosa, cultural do pa√≠s. Enquanto que os samhitas t√™m um benef√≠cio muito claro: voc√™ tem autonomia plena. Uma vez que voc√™ saiba a l√≠ngua na qual eles est√£o escritos: o s√Ęnscrito; e que voc√™ consiga navegar a poesia, a linguagem po√©tica que √© usada, voc√™ tem total autonomia para conseguir explorar e praticar o Ayurveda. Ent√£o o Ayurveda baseado nos samhitas, √© um sistema que empodera bastante o estudante e o m√©dico e √© por isso que √© o sistema que eu tive o privil√©gio de escolher para ser a minha fonte do conhecimento ayurv√©dico.

Então vamos falar um pouquinho desses samhitas. Dentro do nosso sistema de Ayurveda baseado nos samhitas, a gente tem dois grupos principais de samhitas. Um grupo a gente chama de Brhat Trayi, a trindade maior, os três livros principais, que são o Caraka Samhita, o Sushruta Samhita e o Ashtanga Hrdayam; e o Laghu Trayi, que são os três livros acessórios, os três livros que complementam a trindade principal que são o Sharangadhara Samhita, o Madhava Nidana e o Bhavaprakash Nighantu. Vamos falar um pouco desses seis livros para que vocês entendam qual é posição que eles ocupam dentro dos ensinamentos do Ayurveda baseado nos samhitas. O Caraka Samhita é o samhita mais antigo. Ele foi escrito entre 3 e 4 mil anos atrás e é um livro de medicina geral que a gente chama de Kayachikitsa.

Em segundo lugar vem o Sushruta Samhita. √Č um livro que tem mais ou menos 2 mil anos e √© especializado no ramo que a gente chama de Shalyachikitsa, o ramo de cirurgia. Esse √© o livro por excel√™ncia de todos os m√©dicos e estudantes que querem se especializar em cirurgia ayurv√©dica. Ent√£o, o Sushruta Samhita, √© um livro muito menos estudado, principalmente no ocidente, especificamente porque as pessoas acham que ele s√≥ fala de cirurgia. O que n√£o √© bem verdade. O Sushruta tamb√©m √© um livro incr√≠vel para Panchakarma e de Kayachikitsa, por exemplo. Em terceiro lugar n√≥s temos o Ashtanga Hrdayam, o livro mais famoso. Diferente do Caraka, do Sushruta e do Ashtanga Samgraha, o Ashtanga Hrdayam n√£o tem nada de prosa, ent√£o ele √© muito mais f√°cil de memorizar, mais f√°cil de recitar. Esse livro √© muito mais f√°cil de ser passado de gera√ß√£o para gera√ß√£o, por isso que ele √© louvado no sul da √ćndia como o cl√°ssico ayurv√©dico por excel√™ncia. Hoje em dia as pessoas consideram que o Caraka Samhita j√° √© um livro bastante complexo, complexo at√© demais, e preferem eleger o Ashtanga Hrdayam como o centro dos seus estudos e da sua pr√°tica. Na verdade, o Ashstanga Hrdayam n√£o faz nada mais do que pegar o Caraka, o Sushruta, o Harita, o Bhela, que s√£o outros Samhitas, muito mais antigos do que ele, e compilar essas informa√ß√Ķes. Ent√£o o Ashtanga Hrdayam n√£o inova de maneira nenhuma a ci√™ncia m√©dica. O que ele faz √© s√≥ sintetizar o conhecimento de uma forma perfeita que ele chama de ‚Äúnati samkshepa vistaram‚ÄĚ‚Ää‚ÄĒ‚Äänem √© muito curto, nem √© longo demais.

Falando um pouco do Laghu Trayi, o Madhava Nidana, que √© um texto que foi escrito em 500 D.C. ele simplesmente sintetiza, aglutina tudo que a gente tem de informa√ß√£o nos outros samhitas sobre a ci√™ncia de Nidana. Nidana √© a maneira pela qual a gente encontra a causa das doen√ßas. √Č quando voc√™ analisa a causa, a patog√™nese da doen√ßa e os lakshanas, os sintomas que aquela doen√ßa vai exibir. O Madhava Nidana √© um livro de sintomatologia e de diagn√≥stico, mas ele n√£o √© um livro de tratamento e nem de princ√≠pios b√°sicos. O segundo livro da pequena trindade √© o Bhavaparkash que foi escrito em 1500 D. C., quer dizer, tem uns 500 anos atr√°s. O Bhavaparkash n√£o √© considerado um samhita, ele √© um nighantu. Ent√£o ele √© um livro que explora a mat√©ria m√©dica, que √© a ci√™ncia que a gente chama de Dravyaguna. O livro analisa os elementos, as drogas, as medicinas, os alimentos e tenta entender se naquele momento, 1500 anos depois de Cristo, se esses elementos, se esses materiais ainda se mant√™m da maneira como eram prescritos nos samhitas. Ent√£o ele vai dar uma atualiza√ß√£o e talvez seja o nighantu mais respeitado de todos os nighantus entre o Raj Nighantu, Madanapala Nighantu, etc. O Bhavaparkash Nighantu √© talvez o mais respeitado de todos. Por isso que ele entra na pequena trindade. O √ļltimo livro que a gente vai falar sobre, dentro da Laghu Trayi, que √© a pequena trindade, √© o Sharangadhara Samhita. O Sharangadhara foi escrito em 1200 D.C. e √© um livro que entra mais dentro da ci√™ncia que a gente chama de Bhaishajya Kalpana. Ent√£o ele fala sobre m√©todos de prepara√ß√£o, de formula√ß√£o. √Č como se fosse a nossa farm√°cia. Como preparar √≥leos. Como fazer um ghee medicado, de que maneira se preparam os rem√©dios, as p√≠lulas, as c√°psulas, os p√≥s. Ent√£o, tudo isso √© a mat√©ria que a gente chama de Bhaishajya Kalpana e √© a mat√©ria estudada dentro do Sharangadhara Samhita.

De forma geral, os samhitas s√£o divididos em sthanas, adhyayas e slokas. Ent√£o o samhita √© a obra maior. O samhita √© dividido em sess√Ķes menores, em volumes menores, que a gente chama de sthanas. Os sthanas s√£o divididos em adhayas que s√£o os cap√≠tulos e dentro dos cap√≠tulos n√≥s temos slokas, que s√£o as frases ou versos. Ent√£o, a maioria deles, que s√£o 3 pelo menos do Brhati Trayi: o Caraka, o Sushruta e o Ashranga, trabalham com o n√ļmero de 120 cap√≠tulos, 120 adhyayas. A quantidade de sthanas varia. Ent√£o o Caraka Samhita tem alguns sthanas que o Ashtanga Hrdayam n√£o tem. O Sushruta tem sthanas que o Caraka Samhita n√£o tem, mas isso somente um estudo mais aprofundado de cada samhita permite entender melhor.

Espero que esse artigo tenha dado uma compreens√£o melhor do que s√£o os samhitas.

4 coment√°rios em “O QUE S√ÉO OS SAMHITAS?”

    1. Bom dia Janete. Existe uma tradu√ß√£o em portugu√™s baseada numa tradu√ß√£o em ingl√™s, ela √© incompleta e n√£o √© muito boa. Recomendo a tradu√ß√£o em ingl√™s que est√° na √°rea de livros do site ūüėČ

  1. Pingback: Ayurveda trata doen√ßas mentais? - VIDAVEDA

  2. Pingback: Quais os 7 melhores h√°bitos para manter a sa√ļde sem sair de casa? - VIDAVEDA

Deixe um coment√°rio

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cadastre-se para receber atualiza√ß√Ķes por email