Movimento é desconforto? - VIDAVEDA

Blog

02/06/2020
Movimento é desconforto?

Sair da zona de conforto pode ser o próximo passo para uma vida saudável

Por Alice Azara, estagiária de escrita do Vida Veda

A quarentena trouxe mudanças na nossa forma de viver em diversos aspectos, e a necessidade de ficar em casa talvez seja a que mais nos afeta mental e fisicamente. Para algumas pessoas é um processo tranquilo repensar a alimentação, o sono e o silêncio durante o isolamento. Em contrapartida, pensar em formas de praticar atividade física regularmente sem poder sair de casa por tempo indeterminado pode ser uma dificuldade para muitas pessoas.

Todos sabem que manter o corpo ativo é importante para a manutenção da saúde e, uma rotina sedentária acarreta doenças. As motivações por trás da prática de atividades físicas são as mais variadas, assim como a diversidade de modalidades que podemos escolher. A visão do Ayurveda sobre a importância do movimento para nossa saúde é bastante simples e direta: atividade física deve ser feita diariamente, seja ela qual for. 

“Movimento é todo dia, movimento é toda hora. A natureza do corpo é movimento. A natureza do corpo não é movimento três vezes por semana na academia. A natureza do corpo humano é movimento o tempo inteiro”, explica o vaidya Matheus Macêdo.

De acordo com o vaidya, o pilar do movimento deve ter dois elementos principais: suor e diversão. “Movimento tem que ser divertido. Se você faz academia com o seu personal trainer e você acha um saco, para. Você deveria se mexer todo dia, você deveria suar quando você se mexe e você deveria terminar essa sessão de movimento muito feliz.”, destaca Matheus. 

Os Samhitas trazem também outro elemento que gera dúvidas: a recomendação de atividade física é ardha shakti, ou seja, metade da capacidade da pessoa. Entretanto, de acordo com o vaidya, a maioria das pessoas não sabe identificar qual é essa medida e nem alcança a metade de sua capacidade física ao executar os exercícios diários.

Pelo fato de termos que ficar a maior parte do tempo em casa, o pilar do Movimento é atrapalhado pelas limitações de espaço e opções de atividade que se apresentam. Pessoas que já praticavam atividades físicas regularmente em academias ou na rua precisam encontrar novas alternativas em casa para manter a saúde em dia. 

Para Clarice Batusanschi, pedagoga, produtora de eventos, atual integrante da equipe de Relacionamentos do Vida Veda e mãe da Betina de seis anos, a quarentena tem apresentado desafios para o pilar do Movimento, mas pequenas mudanças têm feito a diferença.

“Não estava praticando nada de início até que estabeleci que só usaria a escada e nada de elevador pra descer, levar o lixo, buscar compras. Aproveito a ‘deixa’ para subir mais lances num ritmo mais rápido e quando minha filha tem aula de educação física por vídeo, faço as propostas junto com ela!”, conta Batu, como é chamada pela equipe.

Batu e Betina

As práticas de movimento impactam até mesmo aspectos que, à primeira vista, não parecem estar relacionados. De acordo com os Samhitas, o movimento regular afeta diretamente a qualidade do sono e da digestão, por exemplo. “Pessoas que se exercitam mais ou que têm um regime mais constante de atividade física têm, necessariamente, uma capacidade digestiva maior. Então, vão ter mais fome, um requerimento energético maior e uma capacidade de digerir maior.”, explica o Vd. Matheus. 

Para Batu, o pilar do movimento afeta até mesmo o foco e a atenção: “Sinto que movimento chama movimento, então quanto mais eu me afasto de atividades de movimentação menos tenho ânimo para fazê-las, e o desânimo físico vai contaminando as tarefas intelectuais também.”

As crianças sentem igualmente esse impacto no desempenho de atividades intelectuais, sendo o Movimento primordial no processo educacional. De acordo com a pedagoga Batu, as atividades físicas têm total impacto no desenvolvimento infantil.

“As crianças aprendem e se desenvolvem no contato com seus pares e se utilizam de todos os sentidos do corpo no processo de aprendizagem. Atividade física pode ser usada inclusive no intervalo de atividades intelectuais mais densas para que as crianças oxigenem o corpo, fixem conhecimentos e possam voltar com mais foco para a atividade seguinte. Sabe-se que muitas crianças inclusive precisam se movimentar durante a leitura de histórias, explicações, e isso não significa que não estejam atentas, apenas estão aprendendo com todo o corpo! Privá-las disso pode prejudicar o processo de aprendizagem causando falta de interesse e frustração.”

Créditos: Free Pik

Desta forma, uma boa alternativa para aumentar o foco e fortalecer o processo de aprendizagem dos pequenos é, ao contrário do que geralmente se pensa, colocá-los em movimento. Em um país como o Brasil, onde a taxa de obesidade infantil triplicou nos últimos trinta anos, é necessário estimularmos cada vez mais a prática deste pilar entre crianças e adolescentes. Para manter Betina ativa enquanto está em casa, Batu explora atividades diversas.

“Fazemos aqui em casa um circuito-desafio onde ela precisa passar por várias alturas de bancos, pufes, ponte improvisada com tábua… tudo sem pisar no chão. Outra coisa que sempre faço é levar ela comigo pra molhar as plantas do jardim, pois ela adora colecionar pequenos elementos da natureza e, ao procurar por eles, se movimenta, agacha, estica pra alcançar coisas em galhinhos de árvore. Outra atividade que tem dado certo é aula de dança online. Descobri que tem vários canais no YouTube com vídeo aulas e são bem lúdicas. Vamos variando essas atividades junto com as da escola pra tentar suprir um pouco a diminuição de movimentação natural que ocorria na vidinha dela nas brincadeiras com amigos.”

Créditos: Free Pik

Iniciar uma nova rotina de atividade física num momento tão conturbado quanto este pode não ser uma tarefa fácil, mas sem dúvida irá ajudá-lo(a) a se sentir melhor física, mental e emocionalmente. Através de passos bem simples, você pode mudar a forma como encara seu dia, saindo da sua zona de conforto. Um primeiro passo pode ser repensar atividades do seu dia tornando-as mais ativas, como trabalhar em pé ao invés de passar horas sentado(a); dar pausas para caminhar entre uma tarefa e outra; descer e subir escadas em vez de pegar o elevador ou se alongar enquanto maratona um seriado. Um segundo passo para tornar seu dia a dia mais ativo é explorar novas atividades, criar jogos e brincadeiras com objetos que você já tem casa, utilizar a internet para aprender novos exercícios e, principalmente, se divertir no processo.

Em um momento de tensão e incerteza como o que estamos vivendo, o pilar do Movimento pode ser um refúgio; uma possibilidade de vivenciar seu corpo de outras formas, de perceber seus limites e buscar ultrapassá-los; de abraçar o desconforto e encontrar diversão no dia a dia.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Copyright 2019 - Todos os direitos reservados a Vida Veda