O QUE FAZER AO ACORDAR?

Um esclarecimento sobre as rotinas matinais de acordo com o Ayurveda por Matheus Macêdo e Ricardo Barreto.

O que eu preciso fazer ao acordar?

Esta é uma questão bastante interessante pois normalmente no ocidente, quando se ouve falar de Ayurveda, ouve-se também falar de Panchakarma, Doshas e Dinacharyā.

Dinacharyā, são as rotinas diárias que os seres humanos deveriam, de acordo com os Samhitas, seguir logo que acordam de manhã e ao longo do dia. No segundo capítulo do Sutrasthana do Aṣṭāṅga Hṛdyam, o capítulo de Dinacharyā fala assim:

ब्राम्हे मुहुर्त उत्तिष्ठॆत्

brāmhe muhurta uttiṣṭhet

As pessoas deveriam acordar no Brāmha Muhurta.

Brāmha Muhurta é um intervalo de tempo antes do nascer do Sol. Não é uma hora exata, mas um intervalo de tempo entre cerca de 1h30 e 45 minutos antes do nascer do Sol. Então de forma geral diz-se que o ser humano deveria acordar antes do nascer do Sol.

Isto é bastante interessante porque remete a algo que a gente sabe hoje em dia sobre a evolução do ser humano. O ser humano, o homo sapiens, é um bicho naturalmente diurno. É comum ouvir algumas pessoas dizerem que são notívagas, noturnas, e seria engraçado pegá-las e colocá-las às três horas da manhã no meio da floresta amazônica ou no meio da savana africana e contar quantos segundos demoraria para um tigre ou um predador as encontrar e as comer sem que elas sequer percebam.

O ser humano não é notívago, o homo sapiens só consegue hoje em dia ser um bicho noturno porque a gente inventou um dia artificial, as luzes elétricas e essa nossa rotina louca. Na realidade, biologicamente, a gente é um bicho que não enxerga muito bem no escuro, não é muito rápido e não é muito violento em termos físicos. Se uma pessoa está no meio de uma floresta à noite, por exemplo, qualquer tigre vai ver esta pessoa muito antes de ela o detectar. Os nossos antepassados, logo que o Sol se punha, logo que começavam a não enxergar muito bem, entravam em uma caverna, botavam uma pedra na porta ou subiam em uma árvore e esperavam o dia amanhecer porque a gente é um bicho que funciona muito bem de dia mas não é um bicho particularmente eficiente à noite.

Então os Samhitas já diziam “brāmhe muhurta uttiṣṭhet”, ou seja se levante antes do nascer do Sol e viva o seu dia, ou seja, seja um animal diurno.

Dito isto, temos que levar em consideração o horário que você acorda para determinar o horário que você vai dormir. Se você decidir que gostaria de seguir os ensinamentos ayurvédicos e acordar no Brāhma Muhūrta, entre 1h30 e 45 minutos antes do sol nascer, também é importante que você vá dormir num horário que permita acordar antes do sol nascer tendo um período de sono adequado para sua vida. Se você tem uma vida em que acordar antes do sol nascer não é viável, ou você vai ter que se sacrificar e dormir quatro horas por noite para isso, não vale a pena. É preferível que você tenha uma noite de sono adequada do que você acordar no Brāhma Muhūrta.

Então além de acordar cedo que mais que a gente pode fazer? De forma geral, o que dizem os Samhitas?

Ter um momento de auto observação: Em vez de acordar tipo um zumbi e fazer tudo no automático, os ensinamentos do Ayurveda dizem que você deve acordar e conseguir se olhar, se perceber e entender como você está se sentindo, como está a sua pele, como estão seus olhos, como estão seus cabelos, se olhar e aos poucos cuidar de todos os seus sentidos.

Algumas das rotinas físicas prescritas: Dañtadhāvana (higiene bucal), Añjana (aplicação de colírios nos olhos), Nāvana ou Pratimarsha Nasya (aplicação de óleo nas narinas), Kavala (bochecho com óleos ou decocções), Abhyañga (aplicação de óleo morno na pele), Vyayama (atividade física) durante 30/60 minutos, Snāna (banho).

Sadvrtta: De forma geral, na primeira metade do capítulo de Dinacharyā são referidos esses tipos de práticas diárias e na segunda metade é referida uma prática chamada Swasthavṛtta ou Sadvṛtta. Essas são práticas mais éticas e morais que muitas vezes não se fala muito quando se estuda Ayurveda no ocidente. De nada adianta se você faz Abhyañga todo dia, se você passa litros e litros de óleo na sua pele e depois maltrata o vizinho, se você é agressivo com as pessoas, se você não respeita o próximo, se você não tenta manter uma atitude positiva em relação à vida, se você não respeita outros animais e outros seres vivos.

Olhando para o capítulo de Dinacharyā é fácil de ver que a prática de Sadvṛtta, esta prática de atitudes ética, morais e de bom convívio social são tão importantes ou mais importantes para a sua rotina diária do que essas práticas de rotinas físicas de banho, oleação ou exercício. Essas práticas físicas são muito importantes, mas tão importante quanto são as práticas morais: tentar ser um ser humano melhor, conseguir sentar em silêncio, tratar o outro como você gostaria de ser tratado.

Espero que este artigo tenha dado uma pequena introdução a este tema de Dinacharyā. Embora não pareça, é um assunto extremamente complexo e é muito importante que vocês aprendam na prática. Procurem um curso, alguém que entenda de Ayurveda e aprendam a aplicar essas rotinas diárias no seu dia-a-dia e percebam como vocês se sentirão bem melhor de forma geral.

Como sugestões deixaremos alguns links para vídeos mais detalhados. Sugerimos que vocês visitem o canal do Youtube do Vida Veda. Na série Vida Veda nos Samhitas há mais de 20 vídeos onde analisamos śloka a śloka o capítulo de Dinacharyā do Aṣṭāṅga Hṛdyam.

Recomendamos também esse vídeo da Laura Pires falando sobre Dinacharyā.

Para mais informações sobre os cursos da Laura Pires, clique aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *